FORUM DO BEREDICTH - COMENTARISTAS SELECIONADOS
aguarde um minutinho...conectando

IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Mensagem por Admin em 18/11/2009, 10:33 pm

IZABEROÍNA




Seu nome real era Isabel Heroína, mas nós a chamávamos de Izaberoína, sem pensar na alteração que estávamos fazendo. Aliás, nem sabíamos quem era a tal Isabel Heroína. O nome tinha sido dado a ela por ter nascido num 13 de maio, em homenagem à Princesa Isabel, mas disso ficamos sabendo bem depois. Nem Insto sabia ao certo como a irmã se chamava de fato, e para ele seu nome era mesmo Izaberoína.
Pretinha bem apanhada, carnes firmes, lembro-me agora que de corpo bastante escultural. Chegaria a ser bonita se não fossem os cabelos em carapinhas e o nariz um tanto achatado. Seus dentes eram extremamente alvos, grandes, quase que saltando fora da boca quando sorria, e como ela estava sempre sorrindo, foi essa a imagem que dela guardei. Nós ficávamos imaginando como viraria uma caveira de meter medo quando morresse.
Sua idade devia estar por volta dos dezesseis anos, pois então eu tinha cinco e ela era bem mais velha, já mocinha, com namorado e tudo.
Izaberoína pouco saía de casa e raramente estava perto do nosso grupo, geralmente apenas para vir buscar Insto quando não estava atendendo aos chamados da Mãe.
Nos momentos em que aparecia por ali todos tínhamos uma sensação gostosa, indefinida, quando a alça da sua blusa caía para o braço e podíamos observar suas tetas, bem maiores que as das garotas chatas que tinham nossas idades. Não era malícia, mas pura curiosidade.
Izaberoína namorava um negrão alto, forte como touro, que tinha andar singular: ele gingava o corpo como quem estivesse ouvindo um batuque que só ele ouvia. Era um preto bonito, cabelos alisados com ferro quente e colados na cabeça com babosa ou outro grude qualquer. Dentes tão alvos e perfeitos quanto os da namorada. Estranhava-nos o fato dos seus olhos serem verdes, e achávamos engraçado estar sempre com sapatos brancos, de bicos finos. Sempre que o vimos estava bem vestido, embora com simplicidade.
Nossos pais diziam que ele era lombeador de sacos de açúcar na E.F. Sorocabana, mas ninguém podia confirmar isso. Nem Insto, que o adorava, pois sempre que vinha se encontrar com sua irmã trazia-lhe torrões de açúcar preto, daqueles úmidos que pareciam rapaduras, que então distribuía a todos nós. E vinha sempre, duas ou três vezes por semana, fora os sábados e domingos. Saiam de casa com as mãos dadas por volta das 19 horas e, antes das 22 estavam de volta, despedindo-se no portão da casa com um rápido beijo na boca. Era coisa nojenta, pois todos na família de Insto comiam içás, e sabíamos que estas comiam defuntos, e que de vez em quando faziam revoadas por ali, vindas do bosque do cemitério.
Numa das noites Dito chegou numa estica de chamar a atenção. Creio que foi a primeira vez que entrou na casa. Alguns minutos depois ele saiu correndo como doido, com o pai de Izaberoína atrás dele com a cinta na mão, gritando: negro safado, vagabundo,... Não soubemos nunca a razão disso, mas o fato é que o sujeito conseguiu se safar dobrando a esquina com velocidade incrível, como se caveiras estivessem em seu encalço.
Alguns instantes depois Insto foi chamado pela mãe e deixou o grupo, de sorte que pudemos falar do assunto sem correr o risco de levar umas bordoadas dele. Quem solucionou o caso foram Didi e Tinho.
Eles haviam seguido por várias vezes o casal nas suas escapadas noturnas. Iam diretamente para o terreno do Pedro Rico, bem onde hoje é a Cidade Jardim, e se embrenhavam no canavial ali existente. Os dois ficavam só ouvindo, pois não dava para ver nada.



    • Gostosa... gostosa...
    • Vá devagar... dói... é uma perna de mesa... Ai...Ai...Ai

Nós não sabíamos por qual razão precisavam ir ao terreno escuro para saber que gosto tinha Izaberoína. Todos já havíamos lambido os próprios braços e sabíamos que eram invariavelmente salgados. Contudo, chegamos a pensar que os pretos tinham gosto de chocolate e até ficamos com inveja do Insto. Ninguém pediu para lamber os braços dele, pois isso nos dava asco. Por outro lado, Dito não nos parecia nenhuma perna de mesa. Tudo nos parecia muito confuso e misterioso.
Quando Didi inadvertidamente disse diante do Insto que sua irmã era gostosa e que iria se casar com uma perna de mesa, levou uma surra monumental, rolando ambos pelo chão durante bom tempo. Nem Insto soube dizer os motivos da sua agressão. Didi abandonou a luta depois que suas roupas ficaram rasgadas e um dos olhos um tanto arroxeados.
Passados uns dias Insto veio nos dizer que Izaberoína ia se casar. Adoramos a notícia, pois pudemos antever doces e refrigerantes grátis, sem falar nos torrões de açúcar preto.
No dia do casamento estavam todos da casa vestidos na maior estica, inclusive Insto, com seu terno de brim branco, dos tempos em que fez a primeira comunhão, calças já pela canela e paletó não mais abotoando, chinelos de corda, já embigodados, que a gente chamava de "enxuga-poças".
O casal era o centro das atenções, com todos querendo abraçá-los. Até Didi foi ao casamento.
No quintal da casa estava o pai da noiva com mais uns amigos fazendo um pagode, circulando entre eles, de mãos em mãos, uma garrafa de cachaça e jarras de chope que eram tiradas de um enorme barril. Até que cantavam bem, especialmente o pai da noiva, que tinha vozeirão bonito, suave. Foi uma das únicas vezes que pudemos ver o pai do Insto rindo e sem estar com a cinta nas mãos para bater em alguém.
Depois do casamento o casal saiu num carro de praça e tomou um ônibus para Águas de São Pedro, onde teriam ficado apenas uma noite, retornando no dia seguinte em tempo de participar da festa que se prolongara noite a dentro e só terminaria no Domingo à tarde, com uma porção de gente embriagada.
Nunca vimos Izaberoína tão feliz e radiante como naquele dia, em seu vestido de noiva, que minha mãe costurou para ela, inteiro-até-os-pés de rendas brancas, com pequenas pérolas formando desenhos de folhas e flores. Sua mãe não se cansava de dizer que ela se parecia com uma rainha, embora me parecesse muito barriguda para ser uma.
Transcorridos mais ou menos quatro meses após o casamento Insto veio nos dizer que tinha ficado Tio. Morremos de inveja, pois os tios sempre foram muito especiais em nossas estórias. Os casos de assombrações que os tios e avós contavam sempre traziam as marcas da verdade, e a partir daquele momento Insto é que seria citado pelo seu sobrinho quando passasse a freqüentar nosso grupo. Ser tio era uma posição de destaque para nós.
Quando, passados uns tempos, Didi veio nos dizer que estava namorando uma das garotas do bairro, Tinho com ares doutorais lhe perguntou:
"Você já lambeu ela para saber que gosto tem?"
Foi outra monumental briga, com Didi finalmente levando a melhor e Tinho fugindo para dentro de casa. Didi estava furioso com a pergunta, e nem mesmo quando o Zorro apareceu por ali depois da fuga de Tinho ele se amedrontou: correu atrás do herói mascarado, mas nunca soubemos se conseguiu ou não alcançá-lo.
Nós não sabíamos os motivos dessas brigas e confusões todas. Tudo estava no sabor que as pessoas podiam ter, e isso já sabíamos. As pessoas brancas eram salgadas e as pretas tinham sabor de chocolate...
O sobrinho de Insto faleceu em seguida, com alguns meses de idade, e o casal se mudou definitivamente da casa dos pais dele e nunca mais os vimos.

_________________
TERRORISTAS NUNCA MAIS!
FORA OS PETRALHAS QUE ESTÃO SAQUEANDO O BRASIL


AS ÁGUIAS VOAM SOLITÁRIAS. OS URUBUS É QUE VOAM EM BANDOS.
avatar
Admin
Admin
Admin

Masculino Data de nascimento : 07/12/1937
Localização : Americana (SP)
Número de Mensagens : 179
Data de inscrição : 09/02/2009

Ver perfil do usuário http://beredicth.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Mensagem por LaBelle em 18/11/2009, 10:53 pm

Berê!
Que belíssima memória, imortalizando não apenas os personagens da crônica como a época, as preocupações. tudo escrito como se ainda fosse criança.
Adorei a forma como coloca suas memórias.
Outro dia consegui, num sebo, um exemplar do seu CONTANDO CAUSOS... onde essa e outras crônicas estão contadas com o mesmo estilo enxuto, calmo, correto. Já li nem sei quantas vezes e, a cada uma delas, mais fã fico dos seus escritos.
O Forum está bem nutrido com os cronistas que fazem parte dele. Não há outro, ao que eu saiba, que tenha tanta riqueza de participantes.
Um bjo

_________________
TERRORISMO NUNCA MAIS

LOIRA SIM, E DE OLHOS BEM VERDES...COM ORGULHO IMENSO POR TER ANCESTRAIS EUROPEUS
avatar
LaBelle

Feminino Data de nascimento : 01/01/1980
Localização : BH
Número de Mensagens : 108
Data de inscrição : 19/04/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Mensagem por Mélida em 19/11/2009, 9:45 am

Muito boa, como sempre, Berê.
Dando um pouco de corda para a imaginação, posso até participar desse casamento, posso ver os passos do Dito andando como quem escuta um batuque que só ele escuta, seus olhos verdes, sua elegância num mundo onde ser elegante não passa, às vezes, de uma roupa limpa, sapatos polidos e cabelos penteados.
Mais ainda, aquele "arrepio" ao ver as tetas da Izaberoina, mostrada inocentemente com a queda da alça da blusa, para crianças que não saberiam o que fazer com elas a não ser gozar a satisfação da curiosidade que todas possuem pelo corpo do sexo oposto.
Nós também sempre tínhamos essa curiosidade pelo corpo dos meninos dos folguedos, tudo sem malícia, mas apenas para desvendar em que éramos diferentes deles.
Genial mesmo foi a confusão dos meninos sobre o que ouviram escondidos, do casal na mata, e sobretudo o ar aparvalhado com que ouviram o narrado por eles e a dúvida final, bem na faixa de idade das crianças do grupo.
Deliciosa!
avatar
Mélida

Feminino Data de nascimento : 22/08/1980
Localização : Sampa - Rio - Belo Horizonte
Número de Mensagens : 98
Data de inscrição : 12/04/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Mensagem por silvia em 20/11/2009, 12:11 pm

Izaberoina, creio, é uma contração de Izabel Heroina, e -também creio, pela simplicidade dos personagens- deveria ser pronunciado como Izabé-heroina.
Interessantíssima a crônica, pois parece ser o espírito da infância da época, inocente, dentro de um mundo todo dela, como se as coisas fora desse mundo tivessem algum tipo de gancho com o mundo dos adultos.
Essa curiosidade em "ver as tetas da Izabéroina, sem malícia, mas por simples curiosidade", é universal e atemporal. No mundo todo, desde sempre, atualmente e para sempre, as crianças descobrem os corpos movidas pela curiosidade e não pela malícia.
Quem de nós, meninas, não se lembra dos tempos em que algum menino literalmente colocou os olhos em nossos decotes, permitindo que a vista fizesse até curvas para chegar aos seios que nem despontavam ainda?
Eu já tinha seios um tanto desenvolvidos para a idade, mais ou menos sete ou oito anos, e a curiosidade dos meninos incidia mais sobre mim que sobre as amiguinhas dos folguedos. Por várias vezes surpreendi até meninas tentando "dar uma espiadela" para saber como eu tinha seios e elas não... era motivo de orgulho para mim, inveja para elas, e quando ganhei meu primeiro sutiã de uma tia, como presente de aniversário, fiquei com um misto de contente e ao mesmo envergonhada. O contentamento foi maior, mas o fato é que a vergonha me afastou bastante do grupo das crianças que todas as noites brincavam de amarelinhas, passa-anel, casamento chinês, casinha e coisas assim bem típicas das meninas.
Muito boa mesmo.
Beijo
avatar
silvia

Feminino Data de nascimento : 01/01/1973
Localização : SAMPA É FIXO... MAS É DIFÍCIL EU ESTAR JÁ
Número de Mensagens : 38
Data de inscrição : 11/10/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Mensagem por Olavo em 20/11/2009, 1:09 pm

Berê.
Só para registrar aqui o fato de que havia nos contado, no bar da avenida em Sorocaba, este episódio envolvendo a "musa" das suas curiosidades.
Minha dúvida, depois de ler a crônica, está entre colocar na balança o que é mais interessante nesses relatos: ouvi-lo rememorando oralmente sua vida ou lendo seus escritos, de extraordinário poder de fixação de imagens? Eu não saberia dizer. Com os relatos verbais, discorrendo livremente sobre os temas, tudo se torna muito envolvente, a gente ri muito pelas entonações da voz, olhares furtivos, etc., que nos textos a gente não tem como enxergar.
Tive a sorte de tê-lo encontrado como amigo.
Quando vai retornar a Sorocaba?
Avise porque a turma está doida de vontade re rever-te e participar dos nossos encontros, ali onde se pode fumar à vontade. (hehehe)
Um abraço
avatar
Olavo

Masculino Data de nascimento : 07/09/1964
Localização : Sorocaba - SP, mas viajando sempre...
Número de Mensagens : 137
Data de inscrição : 28/05/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Mensagem por Admin em 20/11/2009, 2:25 pm

Olavão
Pode ser, mas não tenho certeza, que amanhã estarei aí no local de costume. Ganhei uma caixa de charutos aqui e vou levar para a turma, já que não estou mais fumando. São bons, ao que consta (cubanitos), mas só de saber que são escravos que os produzem, mesmo que eu fosse fumante não os queimaria.
Um abraço e fala do Ademir levar para mim aquele livro dele. Quero dar uma espiadinha.
Abraços

_________________
TERRORISTAS NUNCA MAIS!
FORA OS PETRALHAS QUE ESTÃO SAQUEANDO O BRASIL


AS ÁGUIAS VOAM SOLITÁRIAS. OS URUBUS É QUE VOAM EM BANDOS.
avatar
Admin
Admin
Admin

Masculino Data de nascimento : 07/12/1937
Localização : Americana (SP)
Número de Mensagens : 179
Data de inscrição : 09/02/2009

Ver perfil do usuário http://beredicth.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Mensagem por Mélida em 24/11/2009, 8:47 am

Olavo.
Ótimo o encontro que programou com o nosso "guru" aqui. O Berê é um poço de simpatias, cultura invejável, que faz a gente ficar antenado o tempo todo. Ouvi-lo discorrer sobre política, educação, arte...são coisas empolgantes mesmo.
O tal restaurante dos alemães é mesmo fora de série. A-D-O-R-A-M-O-S.
Pode me marcar aí que estaremos presentes no próximo grupo.
Bjos
avatar
Mélida

Feminino Data de nascimento : 22/08/1980
Localização : Sampa - Rio - Belo Horizonte
Número de Mensagens : 98
Data de inscrição : 12/04/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Mensagem por Suelen em 19/12/2009, 10:03 am

Beredicth
Muito saborosa sua crônica sobre Izaberoina.
Esse seu livro deve ser um repositório incrível de memórias dos anos das décadas de 40 e 50.
Falta-nos na literatura nacional livros com tais memórias, capazes de imortalizar momentos e épocas em cima de acontecimentos vivenciados pelos depoentes.
Gostei de todos, e vou deixar comentários em cada um.
Bjos
avatar
Suelen

Feminino Data de nascimento : 10/12/1980
Localização : Rio
Número de Mensagens : 34
Data de inscrição : 15/12/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: IZABEROINA, A QUE TINHA GOSTO DE CHOCOLATE E SE CASOU COM UMA PERNA DE MESA

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum