FORUM DO BEREDICTH - COMENTARISTAS SELECIONADOS
aguarde um minutinho...conectando

O AZAR DE UM COMUM

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O AZAR DE UM COMUM

Mensagem por Admin em 16/11/2009, 2:00 pm

O AZAR DE UM COMUM
(do livro "Contando Casos para...")
Santos, Wladir dos. MM. Max, 2001 SP.
Hoje minha crônica não se refere a temas da minha infância e juventude, como todas as outras que já publiquei, mas à atualidade. (Fato ocorrido na década dos anos 90)
Dizem que a situação econômica está tão ruim, que quando o sujeito consegue o mínimo, já tem muito, e quando é envolvido na má sorte não há o que consiga tirá-lo disso. Verdade...verdade..., como se pode ver pelos acontecimentos que envolveram este cidadão comum, como milhares de outros existem nestes tempos agitados e difíceis.
Outro dia topei com um amigo que está desempregado. Engenheiro Eletricista, mas que nunca conseguiu exercer sua profissão. Contou-me sobre seus dissabores, que começaram ao tempo em que estava na ordem do dia os "bois magros e bois gordos" e nunca mais pararam.
Dois anos depois de formado, ainda sem emprego, resolveu montar um açougue. Nem bem havia aplicado suas economias na casa de carnes, os bois misteriosamente sumiram do mercado, e quando resolveu arriscar a vender bois abatidos ilegalmente por preços superiores, foi multado e a casa lacrada antes que tivessem sido vendidos cinco míseros quilos de costelas.
O açougue não deu certo. Pagou estoicamente a pesada multa e o vendeu por uma ninharia. Nem tinha recebido a segunda prestação e a carne voltou.
Conseguiu finalmente emprego em Rio Claro, e teria tido algum sucesso não fosse a falência da firma. Saiu de lá e montou uma confecção, que também foi para o brejo quando o Brasil começou a deixar entrar roupas feitas na Ásia. Se ele colocasse no mercado perdendo até 30% dos seus custos, as roupas estariam mais caras que as chinesas e coreanas.
Fecharam sua confecção quando distraidamente se esquecera de pagar as duplicatas e quase que vai preso por dívidas. Para se safar dessa humilhação, deixou com o Advogado mais da metade do que ainda lhe restara, e ficou ainda devendo o equivalente às últimas dez prestações do açougue.
Tinha feito uma pequena reserva de fundos na Poupança, mas de repente lhe disseram que estava quase que zerada e sem poder movimentá-la. Ainda por cima, tiraram três zeros do capital.
Com o novo Código de Trânsito já em vigor, foi surpreendido por uma avalanche de multas, tudo de uma só vez. Aqui estava o motivo da sua angústia atual.
Conto sua odisséia: num domingo à tarde estacionou seu fusca 64 na área do estacionamento do hospital e foi fazer uma visita a um grande amigo, que teria sido operado de hérnia. Estava tentando localizar o quarto do amigo naqueles enormes corredores cheios de gente sobre macas, sentados ao chão, etc., quando o alarme disparou no momento em que um adolescente marginal quebrou o vidro para roubar o tape. Ninguém tentou impedir, de sorte que quanto retornou após a visita, estava sem o aparelho e ainda por cima com o vidro quebrado. Após a visita não: o paciente já tinha tido alta no dia anterior, e nem tinha sido operado naquele Hospital.
Já meio conformado com a situação, pois afinal não levaram o carro todo, foi abordado por dois policiais, que o comunicaram sobre a multa que haviam lavrado por ter disparado o alarme. Está no Código. Inconformado, tratou de bronquear com a falta de lógica da multa pelo alarme, que afinal de contas era feito mesmo para chamar a atenção quando o carro fosse alvo de roubo, e um dos policiais notou que estava de chinelos, e aí levou mais uma multa, a que se seguiu uma terceira por não ter cinto de segurança com três pontos, nem nos bancos dianteiros e nem no traseiro. Agora furioso, tentou dar a partida, mas o velho carro não pegava. O policial olhou no marcador de combustível: estava zerado, e por esse motivo levou a quarta multa por estar sem combustível, sem nem ter saído do lugar. Também estava tudo no Código.
Os policiais se condoeram com sua falta de sorte e até foram buscar uma porção de gasolina para que o carro pudesse afinal sair daquele inferno. Mais que isso, os soldados gentilmente ajudaram a empurrar o velho fusca. Quando finalmente o motor pegou, vendo-se mais ou menos liberto da situação e potencialmente impune, desafogou um palavrão que lhe estava na garganta para os homens da lei, sem perceber que nesse momento passara a menos de um metro e meio de uma bicicleta que também deixava o hospital. Levou sua quinta multa, e quando estava finalmente saindo, outro policial entrou diante do carro com a mão erguida para lhe dizer que o motor estava produzindo muita fumaça, pelo que teve um multa adicional. Foi a sexta multa, tudo em menos de dez minutos. "Não vou pagar merda nenhuma... que fiquem com o carro que não vale tanto..." e recebeu a sétima multa do dia, por desacato à autoridade, a oitava por estar impedindo o corredor por onde entram ambulâncias, e a nona por obstruir a via pública com sucatas. Começou a chorar de desespero, e nesse instante sua namorada, que o acompanhava, achou que era um cara covarde e fraco perante a vida, dando-lhe o fora ali mesmo. Foi a pé para casa, gritando em resposta aos seus chamados: "covarde...", "covarde...".
Ia me esquecendo de mais alguns momentos, tão ou mais trágicos que esses, em sua vida. No mês anterior, quando o insistente e desumano locador requereu despejo por falta de pagamentos durante oito meses, foi postar-se sobre o viaduto da Anhangüera, esperando tomar coragem para pular bem diante de um desses treminhões enormes e carregados que por ali trafegam em velocidade incontrolável, sem qualquer multa. Estava se decidindo a colocar fim em tudo, até com bilhete escrito para a imprensa, quando avistou ao longe uma multidão de pessoas com faixas, cartazes e bandeiras do PT, MST e PC do B que vinha vindo pelo acostamento da estrada. Deu um tempo para si mesmo para tentar decifrar o sentido daquilo e esperou: eram pessoas sem-terra e sem-teto, mais de quinhentas, que faziam uma espécie de marcha triunfal para Brasília a fim de intimidar o governo visando que os amparasse em suas invasões de terras e propriedades. Achou que era tudo muito bem pensado e a solução final, colocada por Deus bem ao seu alcance: ganharia um lote ou uma casa, passaria tudo nos cobres e endireitaria a vida em pouco tempo sem esforço algum.
Não esperou duas vezes: desceu correndo do viaduto e se dirigiu ao grupo para perguntar algumas coisas sobre a marcha e se poderia acompanhar os passantes, mas foi logo aclamado como quem estivesse ali esperando para engrossar o movimento. Sentiu-se pela primeira vez um verdadeiro herói, indispensável para o sucesso da turba, esquecendo mesmo sua trágica situação. Tratou de aderir aproveitando a fama e foi junto, com a roupa do corpo, sem um níquel nos bolsos.
Já havia andado mais de duzentos quilômetros e "serrado" várias refeições dos demais, quando notaram que não passava de um penetra, sem nenhuma politização e sem condições para se auto-sustentar nessa aventura. Provavelmente poderia estar ali à procura da Débora, sobre quem a revista Play Boy havia feito reportagem naqueles dias. Em suma, um oportunista andarilho, um canalha tarado, que também poderia estar a serviço dos proprietários e, quem sabe, até ser espião das elites dos fazendeiros, que se infiltrara maliciosamente no grupo para conhecer os planos de ataque.
Meteram-lhe uns cascudos nas orelhas, deram-lhe umas chibatadas e o amarraram fortemente a uma das estacas das barracas.
Sua agonia de verdade veio quando alguns peões começaram a discutir em sua frente se seria melhor castrá-lo ou matá-lo, jogando a culpa nos fazendeiros e o corpo no rio que estava logo à frente, em represália ao fato de vir delatando sobre o que falavam e faziam.
Suspirou de alívio quando viu chegar um carrão com um Padre e mais dois ou três homens. Para ele, Padre era sinal de paz e perdão, mesmo que estivesse junto ao grupo de pecadores. Ele era católico praticante, ex-coroinha, chegara a pensar em entrar para um Seminário em sua infância e, desde longa data, tinha pela batina um enorme respeito. Contudo, até o Padre que estava liderando o movimento acusou-o, sem mesmo ouvi-lo, de ser militar disfarçado, que por certo estaria ali apenas para conhecer o poder de fogo dos manifestantes, visando repetir a chacina do nordeste.
Quando o pessoal estava decidindo entre castrar ou matar, adquiriu forças como que sobrenaturais, rompeu a corda e conseguiu fugir da sua prisão móvel ao ouvir um sem-terra cochichando para outro que naquela noite iriam mesmo é dar cabo dele, atirando o corpo no rio que estaria logo à frente, ou abandonando-o no terreno de uma das fazendas próximas.
Saiu correndo do acampamento quando o guarda de plantão estava adormecido, meio alcoolizado. Pulou sobre algumas cercas e nem olhou na direção da turba acampada, correndo até que o dia amanheceu.
Ficou escondido no mato esperando que todos se fossem rumo a Brasília. Não tivera opção: "castração ou morte" não tinha muito a ver com o heróico brado de "Independência ou Morte".
Teve que voltar a pé, sem ter ganho seu terreno nem sua casa, quatro dias depois, invadindo plantações de cana para se alimentar, dormindo ao relento e sob torrencial chuva que o apanhou no caminho. Ainda por cima, quando conseguiu pegar um frango num sítio para comer, não tinha como assá-lo, pois aderira à campanha contra o fumo e não carregava fósforos.
Já na Anhangüera novamente, próximo de Ribeirão, morrendo de fome e sede pelos dias passados dessa forma, parou num posto de gasolina que estava apinhado de gente e, maltrapilho como se encontrava, tentou conseguir alguma ajuda, mas tudo o que obteve dos bons viajantes em férias foi ofensa: "vagabundo... vá trabalhar...".
Nesse dia em que o encontrei, no mesmo em que tivera nove multas em menos de dez minutos, ele estava tentando me convencer a lhe emprestar o que chamou de "um dinheirinho" para comprar um revólver e dar um tiro no ouvido, colocando fim rápido em sua miserável sina.
-Eu? Emprestar dinheiro para alguém comprar um revólver e dar fim na vida, bem à minha frente? E eu sou louco? Quem me reembolsará? Trabalhe para comprar um...".

_________________
TERRORISTAS NUNCA MAIS!
FORA OS PETRALHAS QUE ESTÃO SAQUEANDO O BRASIL


AS ÁGUIAS VOAM SOLITÁRIAS. OS URUBUS É QUE VOAM EM BANDOS.
avatar
Admin
Admin
Admin

Masculino Data de nascimento : 07/12/1937
Localização : Americana (SP)
Número de Mensagens : 179
Data de inscrição : 09/02/2009

Ver perfil do usuário http://beredicth.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AZAR DE UM COMUM

Mensagem por Dirce em 16/11/2009, 2:11 pm

Berê
Rimos muito do azar do seu amigo.
Pode ser que a situação seja inventada, como soem acontecer em crônicas, mas o fato é que esta é hilariante. Vou levar hoje para a faculdade e mostrar para turma. Tenho certeza de que fará um sucesso enorme.
Sempre adorei suas crônicas, sobretudo porque elas são escritas transportando o leitor para tempos idos. As que colocou sempre são relatos bucolicamente restaurados das suas memórias, passando para os mais novos, como eu, um retrato fiel e sem retoques das formas como foram os acontecimentos da sua vida. Deliciosas!
Se não aconteceu, seria bem possível que acontecesse.
Parabéns por mais esta jóia. O forum está de parabéns com essa "nada" de cronistas, poetas e contistas que conseguiu reunir aqui.
A presença do simpático Minás por certo foi um acontecimento de alta valia.
Um beijo
avatar
Dirce

Feminino Data de nascimento : 01/01/1990
Localização : AGORA EM SAMPA
Número de Mensagens : 84
Data de inscrição : 01/05/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AZAR DE UM COMUM

Mensagem por Martinha em 16/11/2009, 2:17 pm

Beredicth
Eu já tinha lido a crônica anterior e me deliciado com ela.
Esta sua é realmente de lascar...
O coitado entrou mesmo para valer na onda de azar. Muito bem humorada, permite que a gente ria muito da situação.
Beijinhos
avatar
Martinha

Feminino Data de nascimento : 31/12/1987
Localização : S.Paulo (BR)-Rio-Paris-Roma
Número de Mensagens : 97
Data de inscrição : 03/03/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AZAR DE UM COMUM

Mensagem por Mélida em 19/11/2009, 9:41 am

Berê.
Esta sua crônica é mesmo indescritível como peça literária.
O "oportunismo" do seu amigo, seja ele real ou imaginário que só aparece para falar dos códigos que comandam a população, é proverbial.
Esta sua crônica faz com que todos nós estejamos morrendo de pena dele, mesmo conhecendo os seus planos de granhar um lote, passer nos cobres e ir tratar de recomeçar a vida.
Não é nada diferente do que fazem todos os demais participantes das famigeradas marchas ditas "de fundo social" onde cada participante se imagina dono das coisas que os outros conseguiram comprar, com a diferença de que não querem comprar, mas apenas vender o que não possuem.
Gostei de mais essa.
Bjo
avatar
Mélida

Feminino Data de nascimento : 22/08/1980
Localização : Sampa - Rio - Belo Horizonte
Número de Mensagens : 98
Data de inscrição : 12/04/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AZAR DE UM COMUM

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum