FORUM DO BEREDICTH - COMENTARISTAS SELECIONADOS
aguarde um minutinho...conectando

O POODLE DA MADAME

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O POODLE DA MADAME

Mensagem por Admin em 11/12/2009, 2:12 pm

O POODLE DA MADAME


Quando eu comecei a namorar temia, como um perseguido pelo azar, cometer disparates perante as garotas. Quando isso ocorria, eu ficava vermelho como um pimentão maduro, a sensação de ter pernas sumia por completo, o pensamento não concatenava mais, a voz não saía e, não fosse a emenda pior que o soneto, sairia correndo.
Era assim quando ia tirar alguma moça para dançar: bastava ela dizer que não queria fazê-lo para o baile terminar para mim e sentir-me inseguro para outro convite. Creio que boa parte disso se devia ao fato de eu ser muito tímido, extremamente pacífico e retraído, mas outra grande parte provavelmente estava nos meus amigos, sempre dispostos a fazer as maiores gozações quando isso acontecia. Quando um dia eu perguntei a uma garota, a conselho de um amigo mais velho e com grandes experiências na vida, se ela era solteira ou casada, dei um tremendo fora. A moça sentiu-se muito ofendida com isso e, pelo que comentou com outras garotas que vieram me contar, a pergunta sugeria que eu estava habituado a sair com mulheres casadas, além de que também pressupunha que ela fosse leviana. Não tentei nem ao menos explicar: abandonei o campo de luta que havia montado pacientemente durante mais de dois meses e nunca mais retornei, não obstante ela me mandasse alguns recados de que não havia entendido direito minha preocupação, etc. Valeu-me mais a bronca que o pedido de reconciliação.
Agora eu estava tentando conquistar uma moça muito fina, cujo futuro a levaria sem dúvida para salões de música erudita pois tocava magnificamente bem o piano de cauda que tinham em casa, sob os olhares complacentes dos pais. Gente muito rica, educada, fina, vindos de Recife para fixar residência em Piracicaba, onde o pai era Fiscal Federal, terror das indústrias da região que teimavam em sonegar impostos.
Eu só não gostava mesmo era do nome da moça, pois ele sugeriria aos meus implacáveis amigos uma série de gozações: Clarabela. Nome de vaca e, com ele, arrastaria uma série enorme de piadas que não estaria disposto a agüentar da turma. Contudo, eu sabia também que eles estariam morrendo de inveja de mim quando me vissem ao seu lado ou sendo por ela e seus familiares tratado de forma muito especial.
Não era apenas eu que estava começando a gostar dela e nem apenas ela gostando de mim: seus pais revelavam estar dispostos a ter especial carinho pelo primeiro namorado da filha única, e desde o início do nosso namoro haviam colhido informações a meu respeito, visto as fotos que havíamos trocado e, segundo ela me contou, desejavam conhecer-me pessoalmente. Eu era, nos últimos dias, o assunto central da casa. Nosso namoro já ia indo para a terceira semana, ainda meio cheio de mistérios e descobertas sobre gostos, interesses, etc. Mas, conhecer os pais era coisa que não estava em meus planos, pelo menos por enquanto. Não era por nada não, mas nos Anos Dourados quando um rapaz conhecia os pais de uma moça e ia em sua casa estava declarando um compromisso formal e sólido que eu não tinha como manter. Estava na primeira série do curso Científico e por certo teria pela frente muitas coisas relativas à profissão, por essa época voltada para o desejo arraigado de me tornar um Oficial Engenheiro da Marinha de Guerra do Brasil. Só depois desse curso feito é que poderia pensar em algo mais sério e estável.
Clarabela insistia: - "Meus pais querem que você vá lá em casa no Domingo almoçar com a gente... eles gostaram muito de você e o acharam um moço muito bonito... meus pais são rigorosos com rapazes que tentam me namorar, mas no seu caso eles estão deixando, mas querem conhecê-lo... etc."
Não tinha como fugir. Durante a semana toda a moça insistiu nisso e eu já estava até pensando em desmanchar o namoro por achar que ele não daria certo. O que eu procurava era uma espécie de passatempo romântico, e não uma futura esposa, embora ela até que faria um bom papel nisso.
Numa noite da semana nós nos encontramos no cine Politheama para um filme qualquer, apenas para que estivéssemos juntos. Braços dados, aguardávamos o início da sessão quando Clarabela disse com ar de susto: "meus pais..."
O casal viu-nos de longe, acenaram para nós e se postaram algumas cadeiras atrás, impedindo desta forma que eu me sentisse disposto a colocar a mão sobre o ombro da namorada ou encostasse o rosto no dela. Nem me lembro qual era o filme, mas apenas da horrível sensação de estarmos sendo observados o tempo todo.
Quando o espetáculo terminou, nós deixamos propositadamente que todas as pessoas saíssem antes de nós, mas os pais de Clarabela também fizeram isso, para que, ao passarmos por eles, pudessem ter contato inicial e pessoal comigo. Fomos assim apresentados, e enquanto saíamos todos do cinema o Pai da moça nos convidou para que fôssemos ao Restaurante “A Bahiana”, aquele quase na esquina da Rua São José com a Praça José Bonifácio, já secular e especializado em peixes, para jantarmos. Não tive como fugir, nessa espécie de concretização do adágio: “ Se Maomé não vai à montanha, a montanha vem a Maomé...”
Para susto meu os pais de Clarabela não tocaram em nada que pudesse comprometer-me. Apenas conversamos, eles contando coisas da família, ouvindo atentamente o que eu mesmo dizia e, o mais perto das minhas preocupações, chegando no interesse deles querendo saber o que estavam em meus planos profissionais para o futuro. Gente finíssima. O casal, podia-se ver claramente, estava encantado com o primeiro namorado da filha, que cercavam com arames farpados para impedir predadores, mas deixando uma porteira para que só eu pudesse penetrar. Não poderia ser diferente: a moça era inocente de todo, bonita, rica... muito mais rica que bonita e, por esse motivo, deveria estar nos planos de muitos rapazes aventureiros que tinham que ser evitados.
Ao terminarmos o jantar estávamos já numa bem aconchegante amizade. Até a Mãe, que Clarabela sempre me descrevera como muito severa e cheia de manias de honorabilidade que os ricos sempre tiveram, verdadeira Madame, olhava-me com expressões de simpatia, risonha, desejando ler em meus olhos o que se encontrava dentro de mim como intenções, bebendo literalmente minha palavras com ares de quem estariam orgulhosos da escolha da filha.
-Eu o convido para que vá no Domingo próximo em casa e possamos almoçar juntos...
Não tinha como fugir e, afinal de contas, um almoço nada poderia representar de compromisso. Além do mais o aspecto de bichos-papão dos pais de Clarabela já tinha desaparecido por completo.
No Domingo, por volta das onze horas, eu compareci à casa. Fui de taxi, pois estava chovendo e eu me recusava a andar com um guarda-chuva, que sempre me parecia uma coisa muito deselegante. Quando fui apertar a campainha a porta se abriu no mesmo instante e uma senhora alta, mulata, uniformizada, atendeu-me mandando que entrasse. Pegou minha capa e levou-me para a Biblioteca, onde pediu-me que me sentasse enquanto iria dar a notícia da minha presença.
Lembro-me de como fiquei espantado com o ambiente, cercado de enormes prateleiras envidraçadas, onde estariam alguns milhares de livros, todos finamente encadernados e, nas paredes não cobertas por elas, quadros a óleo muito bem emoldurados. Nunca havia visto uma biblioteca como aquela. Ao canto um enorme piano de cauda, já com a tampa erguida, como se estivesse pronto para ser utilizado.
Incômoda mesmo era a poltrona onde me sentara. Tinha uma saliência que, embora pequena, causava-me algum desconforto. Eu ia mudar de poltrona quando Clarabela surgiu à porta e veio correndo em minha direção, seguida dos Pais que estavam visivelmente alegres pela minha presença.
- O Sr. tomaria uma dose de Wiskye?
- Não... obrigado, mas não bebo nada com álcool.
Parecia-me que tudo que eu dizia servia para mais encantar à dona da casa. Eu estava como que acumulando virtudes para me transformar no futuro genro, e o fato de não tomar nada com álcool parecia ser uma dessas virtudes.
Depois que a Mãe instou Clarabela para mostrar-nos como era boa como pianista, minha namorada, a princípio relutante e negando sem muita convicção, acabou indo ao piano e executou-nos uma série de composições de Mozart, todas de memória, ante os olhares felizes e aplausos da seleta assistência. Teria futuro garantido como pianista, sem dúvida alguma.
Em determinado momento a Mãe da moça pediu-nos licença para ir em busca de um cãozinho que achava muito interessante para me mostrar. Pouco depois chamou o marido para ajudá-la nessa aparentemente difícil tarefa e, por último, também Clarabela. Foi quando me aproveitei do fato de estar sozinho novamente e tentar solucionar o incômodo da poltrona.
Barbaridade! Eu havia me sentado exatamente sobre um filhote de mini-poodle da dona da casa, menor que um punho fechado, e agora estava ali com ele nas mãos, amassado como uma folha de papel naquele vestidinho cheio de rendas. O bicho estava literalmente quebrado ao meio, olhos quase que saindo das órbitas, e pela boca saía um filete de sangue que manchou o veludo da poltrona e minha roupa. Sem querer explicar coisa alguma a ninguém, atirei o corpo do animal pela janela que dava para uma imensa área gramada ao lado da piscina e saí pé ante pé da Biblioteca. Apanhei rapidamente minha capa que estava numa armação perto da porta e saí o mais depressa possível dali. Por sorte um taxi estava passando e tomei-o.
Não voltei a me encontrar com Clarabela e só notei a minha segunda gafe alguns dias depois, quando precisei usar novamente a capa e percebi que não era a minha. Nem tentei reaver a minha e devolver a do meu anfitrião, como não tentei rever Clarabela e nem ela a mim.
Até hoje não consigo imaginar, sem rir, o que se passou pela cabeça de todos quando deram com a mancha de sangue na poltrona, notaram minha fuga misteriosa depois do desaparecimento também misterioso do filhote, o encontro do corpo amassado do cãozinho ao lado da piscina e o roubo da capa do pai de Clarabela.
Boas coisas não foram, tanto que nunca me perguntaram.


_________________
TERRORISTAS NUNCA MAIS!
FORA OS PETRALHAS QUE ESTÃO SAQUEANDO O BRASIL


AS ÁGUIAS VOAM SOLITÁRIAS. OS URUBUS É QUE VOAM EM BANDOS.
avatar
Admin
Admin
Admin

Masculino Data de nascimento : 07/12/1937
Localização : Americana (SP)
Número de Mensagens : 179
Data de inscrição : 09/02/2009

Ver perfil do usuário http://beredicth.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O POODLE DA MADAME

Mensagem por Ruth em 12/12/2009, 10:08 am

Berê, lindinho!
Esta foi, como dizem os jovens de hoje, "D+".
Rimos a mais não poder da situação da qual foi protagonista, mas sobretudo pela sua fuga.
Vou reler depois, com mais vagar, para notar detalhes que meu marido citou aqui.
Um bjo porque o tempo venceu e tenho que ir para a Universidade. Volto depois
avatar
Ruth

Feminino Data de nascimento : 01/03/1975
Número de Mensagens : 110
Data de inscrição : 20/11/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O POODLE DA MADAME

Mensagem por Martinha em 12/12/2009, 1:54 pm

Professor!
Não acredito que tenha sido tão tímido, mas considerando que fosse, o seu comportamento foi hilariante mesmo.
Tadinho do cãozinho!
Pena que não deu para ficar sabendo o que aconteceu com Clarinha (Clarabele), se ela chorou, se ela começou a namorar outro em seguida, se se casou... essas notícias complementares serviriam para deixar o evento para a história e penetrar no mundo das relações humanas. Não acha?
Mas o que importa aqui, querido, é a qualidade do seu escrito. Como sempre, este também é de uma extraordinária força expressiva.
Beijocas
avatar
Martinha

Feminino Data de nascimento : 31/12/1987
Localização : S.Paulo (BR)-Rio-Paris-Roma
Número de Mensagens : 97
Data de inscrição : 03/03/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O POODLE DA MADAME

Mensagem por Dirce em 13/12/2009, 12:57 pm

Berê.
Que situação confusa, não?
Chego a visualizar as cenas, a começar no cinema, no restaurante, na casa, na sala, até descobrir o ter amassado o cachorrinho e sair correndo, roubando a capa...
Nossa! Meu Deus! Não teria mesmo como explicar nada, e fez o certo: dar no pé... -risos- pois é assim que agem os tímidos que precisam ficar foragidos dos holofotes da vida.

Claro que entenderiam, Berê, mas para dizer a verdade, tem coisas que acabam se tornando ótimas, quando se observa o que elas propiciaram. Se tivesse ficado com a Clarinha (como intimamente a inha amiga Martinha se referiu), não teria tido a chance maravilhosa de ter encontrado a Mirian.
Já pensou?
Um bjo
avatar
Dirce

Feminino Data de nascimento : 01/01/1990
Localização : AGORA EM SAMPA
Número de Mensagens : 84
Data de inscrição : 01/05/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O POODLE DA MADAME

Mensagem por larsson em 17/12/2009, 3:29 pm

Berê
Puta merda! Deus me livre de uma situação parecida, embora eu tivesse uma mais complicada para contar. Como não saberia fazer em forma de crônica, como Você e o Minás já se mostraram capazes e Mestres de causar invejas, eis em resumo a situação difícil pela qual passei.
Também era tímido demais, por causa dos amigos que ficavam tirando "sarros" dos foras que dava com garotas.
Havia na nossa turma de escola, uma colega muito bonita, que eu paquerava, mas ela tinha outros interesses que não eu.
Por algum motivo que não saberia explicar, repentinamente ela passou a me levar em consideração e pediu que me convidassem para um pic-nic, quando pretendia me encorajar para uma conversa mais tete-a-tete...
Cheguei tarde, todos já reunidos... dei a volta no local, observando ao longe, já disposto a ir embora, quando me acenaram para eu chegar ao grupo. Fiz isso.
Meus colegas tinham deixado um espaço aberto ao lado dela (o único!), forçando-me a ocupá-lo.
Acontece que, quando fui me abaixar para sentar-me, aconteceu o inesperado: minha calça se rasgou e, ao mesmo tempo, disparei um flatus bem alto, que em meio ao silêncio de todos, foi uma verdadeira bomba atômica...
Se não corri antes, corri agora... nunca mais voltei para aquela escola, preferindo transferir-me para outra.
Já antevendo o que a ótima Dirce irá escrever, não sei o que aconteceu à colega mas posso dizer que nunca compareci a um único "encontro anual" da turma até hoje.
Abraços
avatar
larsson

Masculino Data de nascimento : 31/12/1977
Localização : Sampa
Número de Mensagens : 48
Data de inscrição : 19/03/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O POODLE DA MADAME

Mensagem por Dirce em 17/12/2009, 3:32 pm

Larsson
Realmente foi incrível o seu azar. Estamos rindo até agora.
Como já antecipou, não perguntarei o que foi feito da sua bela musa, mas o que quer que tenha acontecido, seria interessante colocar aqui. Ela teria desistido de Você ou apenas iria se encontrar para lhe dar um "tremendo deixa-prá-lá"?
Um beijo
avatar
Dirce

Feminino Data de nascimento : 01/01/1990
Localização : AGORA EM SAMPA
Número de Mensagens : 84
Data de inscrição : 01/05/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O POODLE DA MADAME

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum